segunda-feira, 26 de junho de 2017

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA


Assembleia Geral Extraordinária


A Associação dos Funcionários do Banpará - AFBEPA, aqui representada por sua Diretoria, na forma do art. 15, Parágrafo Único, do Estatuto Social vigente, vem, por meio do presente edital, convocar os Associados (as) Efetivos (as), a participarem da Assembleia Geral Extraordinária (AGE) que se realizará em 29 de junho de 2017, em primeira convocação às 18h e em segunda convocação às 18h30, na sede da Associação, situada à Rua Senador Manoel Barata nº 718, sala 308, 3º andar do Edifício Infante de Sagres, CEP: 66.015-020, bairro: Campina, Belém/Pá., a fim de tratar sobre a seguinte ordem:

· Propositura de ação judicial para o restabelecimento do pagamento do complemento de gratificação de todos os associados que tiveram a parcela suprimida de seus contracheques, a partir de junho/2017 face a reestruturação promovida pelo BANPARÁ.


Belém, 26 de junho de 2017.


A DIREÇÃO DA AFBEPA

sexta-feira, 23 de junho de 2017

NOTA DA AFBEPA SOBRE A DECISÃO DO BANPARÁ DE RETIRAR A COMPLEMENTAÇÃO DA GRATIFICAÇÃO DE FUNÇÃO

O Banpará na manhã de hoje, sexta-feira, sem qualquer comunicação prévia aos seus empregados e sem qualquer divulgação por portaria, suprimiu a rubrica denominada “COMPLEM. GRATIFICAÇÃO” dos salários de todos os bancários e bancárias que desempenham funções cuja carga horária foi reconhecida judicialmente como de 06h/dia.

Trata-se de nítida retaliação face às demandas judiciais coletivas exitosas propostas pelos trabalhadores, em que se pleiteou – e, em alguns casos, ainda pleiteia – o reconhecimento da jornada regular do bancário prevista no art. 224, da CLT e o pagamento da 7ª e 8ª Horas Extras, para os exercentes de funções comissionadas destituídas de Fidúcia Especial.

Bancários e bancárias, a AFBEPA entende que o Banpará cometeu uma conduta absurda e ilegal, sem a necessária transparência e pegando o funcionalismo DESPREVENIDO, a de Reduzir o Salário de seus empregados, o que está totalmente contrário ao que o Banco deveria fazer neste momento de crescimento e de bons resultados. Inclusive tomando uma atitude na surdina, alheia aos interesses dos trabalhadores, que jamais imaginaram que levariam uma porrada como a imposta NOS SALÁRIOS, ESPECIFICAMENTE, consistente NA SUBTRAÇÃO DA VERBA DE COMPLEMENTAÇÃO DE GRATIFICAÇÃO, que há muitos anos é percebida por vários funcionários.

Quanto rancor destila essa medida, parece que as pessoas não são gente, pois não mereceram Respeito por parte do Banco, de serem avisadas para, pelo menos, se prepararem para tal acontecimento.

Agora, muitos colegas estão sem ter como honrar as responsabilidades assumidas perante terceiros e, com certeza, como já ouvido por esta AFBEPA, muitos estão intranquilos e em sofrimento, pois o Banco Subtrai da Vida dos seus “Guerreiros” um bem da Vida essencial para se viver com qualidade, o Salário e o seu Valor Social.

A AFBEPA informa aos nossos colegas que encaminhará oportunamente as medidas cabíveis para desestimular esse tipo de comportamento.

VAMOS SEMPRE NOS UNIR E LUTAR CONTRA ESSE TIPO DE ATITUDE!

UNIDOS SOMOS FORTES!

A DIREÇÃO DA AFBEPA

quarta-feira, 21 de junho de 2017

AFBEPA, SINDICATO E A FETEC-CN SE REUNIRAM PARA DEBATEREM A SITUAÇÃO DA CAFBEP E DO PONTO ELETRÔNICO


A AFBEPA se reuniu com o Sindicato e a FETEC-CN ontem, 20 de junho, na sede do Sindicato, para debater a situação do Fundo de Previdência Complementar do funcionalismo do Banpará e o Ponto eletrônico.

A reunião começou discutindo o pedido que o Banco fez na Justiça, para que o Sindicato proceda à realização de assembleia com o fim de Validação e Homologação do Ponto eletrônico. Contudo, até a presente data o Banpará NÃO SE DESINCUMBIU de providenciar os AJUSTES já requeridos pelas Entidades Representativas dos Trabalhadores.

Outra questão pertinente é que essa Homologação só pode ocorrer no momento em que a Assembleia decidir por isso, ou seja, quando o ponto eletrônico funcionar a contento, não podendo haver ingerência do Banco ou da Justiça sobre esse ato.

Atualmente, não há como a categoria aprovar esse sistema de ponto, pois ele, da forma que está posto, não marca a jornada real do trabalhador, quem acaba tendo toda a gestão sobre a marcação é o gerente geral ou o chefe imediato do Setor, inclusive para qualquer justificativa, a exemplo de atrasos ou marcação de horas extras.

O Banco tem de arrumar o sistema que limita a marcação, como, também, as demais inconsistências, para que os trabalhadores possam aprovar o Ponto Eletrônico.


Fundo de Previdência Complementar - CAFBEP

Os presentes discutiram sobre a situação apresentada pelo patrocinador Banpará e tiraram encaminhamentos a fim de qualificar o debate e ter as informações necessárias, antes de convocar uma Assembleia dos bancários do Banpará, com os participantes do Fundo de Previdência Complementar gerido pela CAFBEP, para tomar decisões acerca desse tema.

Será feita uma análise do Estudo Atuarial da CAFBEP, para entender se realmente existe essa necessidade de transferência de Gestão do Fundo de Previdência Complementar, como argumenta o banco; é necessário que o Banpará faça reuniões com os participantes do Fundo, como já havia sido solicitado na reunião que as Entidades de Classe tiveram com representantes do Banpará e da CAFBEP; e a ratificação do ofício que já foi enviado para a Diretoria do Banco, solicitando Mesa de negociação sobre o Fundo de Previdência Complementar; entre outros.

Também, há uma interrogação, caso haja a transferência de gestão, qual setor do Banco irá fazer a interlocução entre os participantes e a nova empresa gestora, como, há ainda, dúvidas acerca da formação das comissões dos trabalhadores que hoje atuam em nome dos funcionários perante o fundo de previdência.

Se enumerou algumas questões que precisam ser entendidas, mas, o ponto principal, se dá na boa vontade do patrocinador e gestora do Fundo em reunir com os participantes para explicar esses rumos pretendidos.

A próxima reunião para tratar dessa pauta será no dia 04 de Julho, às 09h00, na sede do Sindicato.


Assembleia no Sindicato, dia 22 de junho, vai deliberar acerca da participação da categoria bancária do Pará, na Greve Geral de 30 de junho

A Assembleia Geral da categoria bancária para deliberar a participação na Greve Geral de 30 de junho, ocorrerá amanhã, 22 de Junho, às 18h30, em primeira convocação, e às 19h, em segunda convocação, na sede do sindicato.

A AFBEPA entende que é de extrema importância participar ativamente do cenário político brasileiro, para, enquanto categoria, BRADARMOS CONTRA AS MUDANÇAS TRABALHISTA E PREVIDENCIÁRIA PRETENDIDAS PELO GOVERNO TEMER, por isso temos de nos fazer presentes na assembleia de amanhã convocada pelo Sindicato e abraçar a Greve Geral do dia 30 de junho. Precisamos nos organizar para barrar os diversos ataques aos nossos Direitos. Vamos fazer nossas vozes serem ouvidas, Reforçando a Greve Geral, para ficar maior e mais vitoriosa que a anterior.

Precisamos Lutar contra essas Reformas que, se aprovadas, irão EXCLUIR os nossos direitos e SUGAR as nossas vidas.

Bancários e bancárias do Banpará compareçam à Assembleia e vamos mostrar que juntos somos fortes e que não aceitamos todos esses ataques contra a Classe trabalhadora.

UNIDOS SOMOS FORTES!

A DIREÇÃO DA AFBEPA

Texto: Gleici Correa

Assessoria de Imprensa

VITÓRIA NA AÇÃO COLETIVA DE QUEBRA DE CAIXA

No ano passado, a AFBEPA ingressou na Justiça do Trabalho com uma ação coletiva pleiteando o pagamento da parcela de Quebra de Caixa aos colegas Tesoureiros e Coordenadores de posto, tendo em vista o trabalho desempenhado por eles na conferência de numerário, pagamentos e recebimentos diversos, emissão de troco, compensação de cheques, entre outros.

Sabemos que, na hipótese de faltar qualquer numerário no caixa, os tesoureiros e Coordenadores de posto são responsabilizados em arcar com a cobertura dos valores faltosos, sob pena de responderem a um processo disciplinar pelo desfalque.

Em razão da responsabilidade nesta movimentação de valores é que a Associação ajuizou esta Ação, a fim de que os colegas recebam a referida parcela para cobrir possíveis diferenças no momento da conferência de caixa, de modo que não haja prejuízo ao trabalhador.

A Ação abrange os empregados que exerceram ou exercem a função de Coordenador de Tesouraria, Coordenador de Posto de Serviço e/ou qualquer outra denominação equivalente às funções que movimentam numerário e que ensejem o recebimento da parcela de quebra de caixa.

Vale ressaltar que a decisão proferida alcança apenas as pessoas que estavam associadas na época de propositura da Ação, ou seja, junho de 2016. Por este motivo, reiteramos a importância dos colegas se associarem com brevidade, para que possam usufruir das nossas próximas Ações que futuramente podem se ajuizadas.

Embora seja uma decisão em Primeiro Grau, já ficamos satisfeitos com esse reconhecimento. É mais uma vitória, dentre tantas, que temos alcançado para que nossos Associados tenham uma condição melhor e mais justa de vida e do valor do trabalho.

Dessa decisão ainda cabe recurso pelo Banco.

Acompanhe as novidades processuais em nosso blog e nos grupos da AFBEPA no WhatsApp.

UNIDOS SOMOS FORTES!

A DIREÇÃO DA AFBEPA

Assessoria de Imprensa